< >
A proposta para a nova sede do CREA-PR se originou do estudo minucioso das condicionantes do programa e da imposição do terreno, sempre tendo em vista o objetivo de criar espaços que fossem mais do que apenas ambientes de trabalho, mas dotados de uma força que gerasse maior qualidade, funcionalidade e rendimento. A partir de uma revisão do programa, chegou-se a configuração ideal de uma barra, formada pelos seus fluxos e adjacências principais. O partido arquitetônico resulta, então, do empilhamento do programa proposto. Devido à forma do edificio, à planta livre e à permeabilidade da fachada, todos os ambientes de escritório tem visuais para o exterior, recebendo iluminação e ventilação naturais e admitindo visuais externas. Todos os espaços servem para mais de uma função ao longo do tempo, permitindo a continuidade do uso mesmo que alterações de layout e tecnológicas aconteçam. O ambiente pode ser amplamente mutável, evitando transtornos das adaptações. Outro fator importante é a utilização de uma pele de tubos de alumínio, que funciona como brise de sombreamento de todo o edifício, dispostos com espaçamentos de acordo com a incidência solar sobre a fachada. Uma diretriz de projeto foi entender a dinâmica da luz natural e sua relação com a passagem do tempo. A riqueza das relações únicas entre luz e sombra em cada ambiente e a cada momento do dia, nos faz lembrar de valores intangíveis ao espaço corporativo usual. O respeito ao entorno acontece também com relação à sustentabilidade social do edifício.